Editor's Picks Technology

Década de 70: a evolução dos computadores pessoais

No dia 15 de novembro de 1971, a Intel anunciou o lançamento do seu primeiro processador, o Intel 4004. De lá para cá, o mundo da computação se voltou para o desenvolvimento de chips cada vez mais potentes, e, hoje, temos um farto leque de possibilidades. Por isso, vamos relembrar um pouco deste pioneiro processador, que completa 49 anos de história.

Desenvolvido por Federico Faggin, Ted Hoff e Mazor Stanley, o Intel 4004 foi um processador de 4 bits e 16 pinos que operava em 740 KHz. O chip contava com oito ciclos de clock por ciclo de instrução, o que significa que ele era capaz de realizar até 92.600 instruções por segundo. Embora Seu preço original não foi encontrado, mas, segundo uma fonte do site Extremetech, sua fabricação custou cerca de US$ 5 por unidade, ou US$ 26 nos valores atuais da moeda americana.

Outros protagonistas da história da informática

Um dos componentes mais importantes da história da informática está completando 49 anos. Nem todos sabem que a Motorola começou cedo no mundo dos processadores, ao lado da Intel, Zilog, Mos Technology, entre outras. Com uma importância ímpar para tudo o que viria a seguir, vamos lembrar e comemorar o MC6800.

A Motorola lança o MC6800

Charlie Melear permaneceu na Motorola (e em seguida Freescale) até a aposentadoria, em 2009. Trabalhou também com sistemas de navegação, in-car Entertainment Systems, entre outros.

Chuck Peddle já havia trabalhado na General Eletric, e se juntou à motorola em 1973. Saiu da Motorola no ano do lançamento do MC6800, em agosto de 1974. Segundo algumas referências, ele não concordava com o custo elevado que o componente tinha.

Histórico

Formado em Engenharia em 1959, ele trabalhou onze anos para a General Electric na área de computação. Em 1970, montou uma empresa para produzir terminais inteligentes (“cedo demais”, ele reconheceu numa entrevista em 1982[ Novamente cedo demais, em 1972 tentou deslanchar uma empresa que produziria um editor de textos. E foi então que decidiu voltar a trabalhar como empregado de uma grande empresa.

Peddle trabalhou na Motorola, a partir de 1973, no desenvolvimento do microprocessador 6800, mas a deixou em seguida pela MOS Technology, onde chefiou o projeto da família de microprocessadores MOS Technology 650x, produzida como uma resposta ao Motorola 6800 (na época, um processador extremamente caro, na casa dos US$ 200). O membro mais famoso da série 650x foi o 6502 (vendido por apenas US$ 25), que foi subseqüentemente utilizado em muitos microcomputadores e dispositivos similares (três exemplos bem conhecidos e bem sucedidos no mercado de consumo foram a família Apple II, o Commodore VIC-20 e o Nintendo Entertainment System ou NES).

Peddle estava tão convencido da viabilidade dos computadores pessoais que, após o lançamento do Apple I, ele fez uma tentativa de adquirir a empresa de Steve Wozniak e Steve Jobs numa parceria com Bill Gates (então mais conhecido pelo seu popular interpretador BASIC). Todavia, Wozniak e Jobs pediram US$ 150 mil dólares pela Apple Computer e o negócio não foi adiante (Gates e Peddle só conseguiram levantar 100 mil dólares). Pouco tempo depois, a Commodore (CBM) comprou a MOS Technology.

Em janeiro de 1977 Peddle exibiu pela primeira vez o Commodore PET, numa feira de produtos eletrônicos; na mesma época, a Apple Computer preparava o lançamento do Apple II. Diferentemente do projeto de Wozniak e Jobs, o PET possuía monitor e leitor de cassetes embutido. O teclado, todavia, era apenas sofrível. A despeito disso, o primeiro lote de 1000 PETs foi vendido rapidamente ao preço de US$ 1600 a unidade, provando que havia um mercado latente para computadores domésticos.

COMMODORE PET 2001 SERIES

O PET (Personal Electronic Transactor) foi um microcomputador/computador doméstico produzido pela Commodore a partir do final da década de 1970.

Embora não tenha sido um grande sucesso de vendas fora dos mercados educacionais do Canadá, Estados Unidos e Reino Unido, foi o primeiro computador completo produzido pela Commodore e se constituiria na base para o futuro sucesso da empresa pelos computadores VIC-20 e 64.

A Lenda Steve Wozniak

Steve Wozniak, cofundador da Apple ao lado de Steve Jobs, esteve no Brasil em 2011 na Campus Party

Pouco depois, em 1976, foi fundada a Apple, tendo como sócios Steve Jobs (que continua ativo até os dias de hoje) e Steve Wozniak, que apesar de não ser tão conhecido quanto o sócio, fez quase todo o trabalho pesado de desenvolvimento. Uma curiosidade é que a Apple só foi fundada porque o projeto do Apple I (desenvolvido pelos dois nas horas vagas) foi recusado pela Atari e pela HP. Uma frase de Steve Jobs descreve bem a história:

Não deixe o ruído das opiniões dos outros abafar a sua própria voz interior

Steve Jobs

Então fomos à Atari e dissemos: “Ei, nós desenvolvemos essa coisa incrível, pode ser construído com alguns dos seus componentes, o que acham de nos financiar? Podemos até mesmo dar a vocês, nós só queremos ter a oportunidade de desenvolvê-lo, paguem-nos um salário e podemos trabalhar para vocês”. Eles disseram não, fomos então à Hewlett-Packard e eles disseram “Nós não precisamos de vocês, vocês mal terminaram a faculdade”.

O FAMOSO APPLE I

O Apple I era baseado no processador MOS 6502, um clone do Motorola 6800, que era fabricado pela MOS Tecnology. Ele era um processador de 8 bits, que operava a apenas 1 MHz. Em termos de poder de processamento, o 6502 perdia para o 8080, mas o Apple I compensava a menor potência bruta oferecendo espaçosos 8 KB de memória, suficientes para carregar o interpretador BASIC (que ocupava 4 KB de memória), com 4 KB livres para escrever e rodar programas.

Uma das vantagens é que o Apple I podia ser ligado diretamente à uma TV, dispensando a compra de um terminal de vídeo. Ele possuía também um conector para unidade de fita (o controlador era vendido separadamente por 75 dólares) e um conector proprietário reservado para expansões futuras:

APPLE I

Naquela época, as fitas K7 eram o meio mais usado para guardar dados e programas. Os disquetes já existiam, mas eram muito caros.

Os grandes problemas das fitas K7 eram a lentidão e a baixa confiabilidade. No Apple I, os programas eram lidos a meros 1500 bits por segundo e em outros computadores o acesso era ainda mais lento, com taxas de leitura de 250 a 300 bits. Era preciso ajustar cuidadosamente o volume no aparelho de som antes de carregar a fita e, conforme a fita se desgastava, era preciso tentar cada vez mais vezes antes de conseguir uma leitura sem erros.

Na época, existiam até programas de rádio que transmitiam softwares como parte da programação. O locutor avisava e em seguida “tocava” a fita com o software. Os interessados precisavam ficar com o aparelho de som à mão para gravar a cópia. Esses programas de rádio foram a primeira rede de pirataria de softwares de que se tem notícia, décadas antes da popularização da Internet.

ZX80 e o Atari 800

O ZX80 era baseado no chip NEC-780C, um clone do Z80, que operava a 3.25 MHz. Ele era relativamente poderoso para os padrões da época, mas aquecia bastante. Segundo as más línguas, ele foi o primeiro processador overclocado da história.

Para cortar custos, ele vinha de fábrica com apenas 1 KB de memória RAM, combinados com 4 KB de memória ROM, que armazenava o interpretador BASIC usado pelo aparelho. Como em qualquer sistema popular da época, os programas eram armazenados em fitas K7 e ele era ligado diretamente na TV:

ZX80 – SINCLAIR

Considerando o preço, o ZX80 foi uma máquina surpreendente, mas claro, tinha pesadas limitações, mesmo se comparado com outras máquinas da época. Apesar de já vir com uma saída de vídeo, a resolução gráfica era de apenas 64×48, mesmo em modo monocromático, já que o adaptador de vídeo tinha apenas 386 bytes de memória. Existia também uma opção de modo texto (usada para programas em BASIC, por exemplo), com 32×24 caracteres.

O chip Z80 surgiu como uma versão aprimorada do 8080, desenvolvido pela Zilog. Ele e suas inúmeras variantes se tornaram incrivelmente populares, superando as vendas de qualquer outro processador da história.

Versões modernizadas do Z80 (que conservam o mesmo projeto básico, mas são produzidas com técnicas modernas de fabricação e trabalham a frequências mais altas) fazem sucesso até hoje, sendo utilizadas em todo tipo de eletrônicos, incluindo impressoras, aparelhos de fax, controladores diversos, robôs de uso industrial, brinquedos, calculadoras, videogames (incluindo o GameBoy e GameBoy Color), diversos modelos de mp3players, entre inúmeros exemplos. Apesar de não ser nenhum campeão de velocidade, o Z80 é um chip extremamente barato e fácil de programar, já que todos os seus truques são bem conhecidos e documentados.

Aqui no Brasil tivemos os TK80 e os TK82 da Microdigital, além do NE-Z80 da Prológica, produzidos na época da reserva de mercado. Eles concorriam com os computadores compatíveis com os Apple, como o AP II, Exato, Craft II e Magnex M10. A linha CP (200, 300, 400 e 500) da Prológica era baseada em chips Z80 e havia também os clones da linha MSX, como os Expert 1.0 e Expert Plus.

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Chuck_Peddle

https://www.hardware.com.br/guias/historia-informatica/zx80-atari800.html

Related posts

The Life of Middle Class During 60s

suporte

History of Computing Hardware Through Photos

suporte

The Glory of America 40s Cinema

suporte

Leave a Comment

vinte − dezenove =